quarta-feira, setembro 28, 2016
Lá no facebook hoje, vi uma postagem sobre as tantas coisas que as pessoas fazem pra manter as crianças ocupadas. O blog malhava os pais que enchiam as crianças de coisas pra fazer  (e eu até concordo!), mas no final começou a se perder quando falou sobre o fato de não ensinar ou mesmo deixar pra lá o alfabetizar as crianças em outro idioma muito cedo. Choveram comentários de gente que não entende nada do assunto e por pura preguiça (isso mesmo, preguiça!!!!) de começar a dar os primeiros passos e ensinar de verdade as crianças a ler e escrever - se comunicar no geral - em outra língua. Todo mundo achando complicado demais... que ia enrolar a cabeça da criança, que a criança fica confusa e agoniada, traumatizada com essa lenga-lenga de ter mais do que um idioma pra falar. Ai, meu Deus...sabe aqueles dias que a gente chega a pensar que era maravilhoso ter um botão de "dislike"lá? E tem um monte de coisas que eu adoraria apertar esse botãozinho! Kkkkkkkkkkkkkkkk. Mas, já que não tem, a gente ignora mesmo. Até porque tem muita gente que não sabe papear sem querer fazer a gente concordar com ela e aceitar a verdade dela, né? Sei que todos nós temos opiniões diferentes sobre como criar os filhos e que não existe cartilha pra gente seguir, mas a maioria dos cidadãos ao nosso redor parecem não saber simplesmente conversar, trocar idéias sem imporem as suas verdades absolutas.
segunda-feira, setembro 19, 2016

PostHeaderIcon To de olho!

Sim, essa é a minha mais nova tela. Terminei nesse sábado. E o que mais gostei foi do olho.

sexta-feira, setembro 16, 2016

Por essas e outras que a gente sempre deve aproveitar cada oportunidade nessa vida. Me lembro de muitas vezes ouvir mamãe dizer que essa vida não era nada e que tudo aqui era e é passageiro e que boa é a vida que vem. Bom, pra mim sempre foi muito dificil absorver isso, pensar dessa forma. Por que não aproveitar os nossos momentos aqui onde estamos agora? Por que a gente precisa religiosamente abdicar da vida que se apresenta aqui na terra? Talvez eu seja uma pessoa que prefere acreditar que não há nada depois que morremos e que tudo acaba aqui mesmo. Eu fui criada entre 3 religiões (católica, testemunhas de Jeová e espiritismo) e depois dessa experiência de mesquinharia, ciumeira, egosísmo, controle, etc e tal...eu resolvi me abster completamente de toda e qualquer religião. Resolvi não me deixar guiar pela mente alheia e aceitei o fato de ter que tomar as minhas próprias decisões sem ter ninguém pra apontar o dedo, culpando. Mas, muita gente não entende e nem aceita essa minha escolha e ainda tenta me sabatinar com comentários frívolos e infortúnios.
A minha filha nunca foi batizada na igreja católica. Pra que isso, afinal? Quero que ela cresça livre pra fazer as próprias escolhas e não seja forçada a seguir esse ou aquele passo. É tão bom quando a gente se respeita e respeita os outros né? Como eu posso dizer que só por que a pessoa não é heterossexual vai arder no fogo do inferno e não vai pr'o céu? Sem falar que eu nunca entendi como um deus pode ser três ao mesmo tempo e esse mesmo deus (es) ser morto por nós (a humanidade)? Eu tenho muitas questões não respondidas. Já fiz uma pesquisa, li bastante até agora não me convenci de nada. 
As testemunhas de Jeová não comemoram aniversário - e só há um único relato na bíblia. Não me convenci com o argumento de que não devemos comemorar aniversário só porque uma tragédia aconteceu naquela festa e não há menção de que os cristãos celebravam aniversários natalícios. Mas, por isso entao eu aceito e condeno as festas de aniversário? Poxa, se alguém é morto dentro da igreja, eu não devo mais frequentar, então? Se vou num casamento e lá tem outra tragédia, isso quer dizer que os casamentos não devem acontecer? E o negócio do sangue então? Cada vez fica mais confuso o argumento. Não se pode tomar sangue, mas se aceita tomar frações do mesmo? Pera aí...e não é somente isso não...ter que ir pregar de casa em casa e ainda relatar todo mês as horas que empregou fazendo isso? E se não relatar voçê é tido como fraco? E a questão da desassociação? Voçê passa a vida inteira no meio deles e se decidir sair seja por ter feito algo que vai contrário às regras ou por livre e expontânea vontade eles te cortam da vida deles pra sempre e nem sequer te comprimentam na rua? Cadê o amor, meu povo? Eu não consigo nem entender e nem aceitar.
No catolicismo...ai, ai. Lá vem outra palhaçada. Eu me lembro de ter uns 6 anos de idade quando a minha vó paterna me levava à missa. Até mesmo quando ela me levava às viagens dos fiéis, romeiros, coisa do tipo pra ver o Padre Cícero em Juazeiro, etc. Eu era bem pequena, mas juro que nuncaaaaaa entendi por que aquelas pessoas se agachavam diante das imagens, estátuas. E eu só tinha uns 6 anos. Pra mim, aquilo era tão estúpido! Não fazia sentido e continua sem fazer. 
Meu avô paterno, João, era espírita. Eu me lembro claramente que no quarto dele com a minha avó, tinha um altar enorme com uma outra estátua, aliás estátuas de várias entidades e a maior delas era a de Yemanjá. Ele tinha verdadeira paixão por ela. Ele quase conseguiu que meu nome fosse Janaína em homenagem à Rainha do Mar. Só que quando mamãe descobriu a "verdade"... mudou de idéia rapidinho. Rs,rs. Na época, ela já estudava com as Testemunhas de Jeová e aí já viu, né? 
Até agora, o que posso dizer é que com essa sacola de experiência nas costas, eu posso me dar ao luxo (?) de escolher viver sem pertencer a essa ou aquela religião. Não que a religião seja ruim - de todo! - mas, eu prefiro ainda me esquivar dela e trilhar meu próprio caminho, minha própria jornada. Se há ou não há um depois, não tenho como descobrir agora. Os mistérios continuam e enquanto não chega a minha vez da despedida, vou vivendo um dia de cada vez sem muitas pressões e apenas com a esperança de contrubuir para que um dia nós (a humanidade) sejamos bem mais tolerantes. Se voçê quer ter/seguir uma religião, o faça. Mas, por favor, jamais imponha a sua verdade como a única. 
quinta-feira, setembro 15, 2016

"E quem um dia irá dizer que existe razão nas coisas feitas pelo coração? E quem irá dizer que não existe razão?..."

- Renato Russo
sexta-feira, setembro 09, 2016

Ontem recebemos um monte de boas vibrações quando postei nossa foto de casamento no facebook. Pela primeira vez, eu não senti nenhum veneno maldito querendo se apossar da felicidade alheia. Depois, pensando um pouco mais, consegui concatenar tudo e me deparei com o fato de estar presente e, ao mesmo tempo, afastada. De alguma maneira, essa minha nova postura de "não estar estando" tem funcionado. As pessoas se sentem próximas mesmo sem serem. Isso é uma conquista, né? Nunca fui de ficar falando demais da minha vida pessoal e nem de ficar, claramente, dando nomes aos bois (embora chegue uma hora em que toda a explosão seja precisa, vital) e continuo acreditando que esse ainda é o melhor caminho a seguir. 
Saímos para comemorar os nossos 10 anos de casamento. Nada melhor do que sermos surpreendidos pelo garçon com duas taças de champanhe, concordam? A medida que a noite foi passando, nos descobrimos recordando memórias...o momento em que saí do Brasil de vez. Eu estava nervosa e incerta sobre o futuro que me aguardava e o que eu colheria dessa decisão, desse meu pulo no escuro desconhecido. Até hoje me lembro da minha mãe num canto triste e feliz por mim. E também me lembro do meu pai. Semblante normal que por vezes parecia estar se livrando de um peso. Mas eu sobrevivi. Cá estou. Eu e William também choramos em vários momentos tanto de emoção pela felicidade quanto de pura tristeza na nossa vida aqui. Não foi fácil pra mim quando meu marido foi para a emergência de madrugada e do hospital só saiu quando foi feita a cirurgia do coração para colocar duas pontes de safena. O meu mundo caiu aqueles dias e semanas que sucederam ao acontecimento inesperado.  Aninha só tinha 2 anos. Esse foi sim o pior momento de nossas vidas. Eita, mas a gente contou piadas também. Rimos, rimos, rimos bastante e até hoje temos momentos únicos dos quais nos orgulhamos muito. E o melhor de tudo...continuamos querendo passar o resto de nossas vidas na companhia um do outro. Viva o amor!

quinta-feira, setembro 08, 2016
E lá se vão 10 anos desde o dia do nosso casamento em Las Vegas em 2006. A melhor escolha que eu já fiz na vida!


Image may contain: 2 people , people smiling , wedding
sexta-feira, setembro 02, 2016

As mulheres com mais de 40 são incomparáveis

Minhas fotos

www.flickr.com

About Me

Minha foto
Elis
Joao Pessoa -, PB e Illinois, United States
Visualizar meu perfil completo

Search

Carregando...
http://meiroca.blogspot.com/. Tecnologia do Blogger.

eXTReMe Tracker

Quote of the Day

more Quotes

Seguidores

Tradutor

Blog Archive

Páginas