quarta-feira, setembro 01, 2010

PostHeaderIcon Como se formam as amizades?

" Teresa e Raquel são duas amigas inseparáveis.Elas gostam das mesmas diversões,possuem as mesmas idéias políticas,ambas adoram música popular e seus valores são muito semelhantes.Uma das poucas divergências entre elas é que Raquel tem uma amiga que é destestada por Teresa.Elas evitam falar nessa amiga e Teresa dela não se aproxima.Teresa tem tentado influenciar Raquel a cortar amizade com essa amiga e Raquel,por sua vez,tem se esforçado para mostrar a Teresa que sua amiga não é como ela pensa.Enquanto,porém,nem uma nem a outra obtém êxito em suas respectivas tentativas de mudança de atitude,Raquel e Teresa evitam encontrar-se quando a amiga de Raquel está com ela."


É mesmo muito engraçado e curioso esse fenômeno das amizades e inimizades nas relações .Tava eu aqui lendo "Aroldo Rodrigues" e me deparei com essa observação.Acabei concordando e pude relembrar várias e várias teorias a respeito do assunto.Uma das teorias psicossociais que mais trazem subsídios para o entendimento do fenômeno da atração interpessoal é a tal teoria do equilíbrio (balance theory) do psicólogo austríaco Fritz Heider.Segundo ele,procuramos relações harmoniosas entre nossas atitudes frente a pessoas e a entidades impessoais.Existe uma relação harmoniosa quando gostamos de pessoas e temos pontos de vista em comum,mas também é harmonioso quando não gostamos da pessoa e dela divergimos.A exemplo dessa segunda opção pode ser visto no prazer que temos em elogiar uma obra de arte e em seguida cerificamos que o seu autor é uma pessoa de quem não gostamos.Por outro lado,é desarmonioso e desequilibrado elogiarmos um artigo e depois verificarmos que foi escrito por uma pessoa que não gostamos.
No cenário descrito acima,Teresa e Raquel mantém uma relação interpessoal equilibrada em relação a vários aspectos da mesma ,entretanto,quando surge a amiga de Raquel,de quem Teresa não gosta, a situação fica tensa.Ou seja,quando somos parte de uma situação desiquilibrada,procuramos mudar a situação.Caso isso não ocorra,experimentamos tensão e desconforto.É comum termos amigos que torcem por times de futebol diferentes,pontos de vista político e religioso diferente do nosso.Mas,quando essas situações ocorrem é ideal é que uma das partes envolvidas na relação mude sua posição a fim de que o equilíbrio seja restaurado.Ou talvez até se rompa a amizade para se estabelecer o equilíbrio de outrora.Mas,porém,há outra possibilidade...a diferenciação.É o que consiste em separarmos as coisas da seguinte forma: Gosto muito de fulano,mas quando se trata de política nós somos inimigos e procuramos não falar no assunto.Fez-se,assim uma diferenciação entre a "parte" da pessoa com quem estabelecemos uma relação equlibrada(aquela que partilha de nossos valores e preferências) e aquela outra com a qual nossa relação é desequilibrada e tensa e que,portanto,procuramos evitar.
E,por causa da busca de situações equilibradas que as pessoas procuram associar-se a outras de valores,interesses e preferências semelhantes.Mas,também há outro fenõmeno que contraria o "princípio do equilíbrio".São as situações onde as pessoas se associam as outras que possuem o que justamente lhes falta,ou seja,procuram uma complementariedade na outra.Por exemplo,uma pessoa tímida pricura uma outra extrovertida e desembaraçada,uma pessoa abstrata que sente atração por outra com o "pé no chão" e prática,bem como o caso patológico de um sádico que procura um masoquista.Mas,essas poucas situações não chegam a abalar o tal "princípio do equilíbrio porque,além de serem muito menos frequentes,se estabelecem pelo valor instrumental que essas diferenças ensejam.
A proximidade,por exemplo,leva 2 ou mais pessoas a ficarem próximas uma da outra.O fato de viverem no mesmo prédio,trabalharem no mesmo lugar,pegar todo dia o mesmo ônibus,ginástica,etc.Essa tal proximidade,facilita o conhecimento mútuo,aumentam as interações.Mas,por outro lado,pode também gerar grande hostilidade.Há vizinhos que se odeiam,colegas de trabalho que se detestam e muita gente que frequenta o mesmo lugar e não se fala.Há ditados populares que ora afirmam a proximidade,ora a distância,como indutores de atração interpessoal : "longe da vista,longe do coração" e o moralista francês La Rochefoucauld disse que " a ausência diminui as paixões medíocres e aumenta as grandes,como o vento que apaga as velas e atiça as fogueiras".Como se vê,a sabedoria popular é contraditória no papel que atribui à proximidade no estabelecimento da atração interpessoal.
Muitas vezes,não gostamos de uma pessoa,mas reconhecemos nela alguns pontos positivos,os quais nos causam tensão ,mas não são suficientes para fazer com que passemos a gostar dela.O mesmo acontece com alguém que gostamos.É possível que ,com o decorrer do convívio,situações desequilibradas se formem,isso é passamos a ver nessa pessoa características que não apreciamos.É possível então,que uma pessoa de quem gostamos comece a fazer parte de tantas relações desequilibradas conosco que,progressivamente,essa amizade vai diminuindo e enfim, cessa.

1 comentários:

Mulher na Polícia disse...

Imagino que aí seja mais difícil fazer amizades devido ao fator cultural. Ou não?

Aff... são tantas perguntas...

Você tá feliz aí, linda?

Um beijo!

Minhas fotos

www.flickr.com

About Me

Minha foto
Elis
Joao Pessoa -, PB e Illinois, United States
Visualizar meu perfil completo
http://meiroca.blogspot.com/. Tecnologia do Blogger.

eXTReMe Tracker

Quote of the Day

more Quotes

Seguidores

Tradutor

Blog Archive

Páginas